Consultoria financeira: quando contar com ela na sua empresa?

Baixa lucratividade, ineficiência no atendimento ou no pós-venda, gastos excessivos, pagamentos atrasados, são alguns sintomas que indicam que a saúde financeira da sua empresa não anda tão bem.

Se a sua empresa passou recentemente por um diagnóstico financeiro, com certeza você saberá o que fazer, tomando a decisão mais acertada.

Se não passou pelo diagnóstico, não perca mais tempo, identifique os problemas antes que eles cresçam mais.

Conte com uma consultoria financeira para ajudá-lo no diagnóstico

Um diagnóstico financeiro só é eficiente quando é elaborado por quem entende muito bem do assunto, ou seja, precisa ser um especialista.

Afinal, por meio do diagnóstico é possível que a empresa saiba em que parte do processo está havendo alguma falha ou problema para ser tratado e resolvido.

O diagnóstico financeiro avalia toda a gestão financeira executada na empresa. Para isso, reúne dados que fazem parte da sua rotina financeira.

A consultoria faz um raio X do negócio, que envolve faturamento da companhia, suas entradas e saídas, como valores a receber e a pagar.

O desempenho financeiro e o modelo de negócios são mensurados por meio da análise das informações contábeis, registro de planilhas, dados do planejamento estratégico e muita conversa com os gestores.

Com todas as informações em mãos, a consultoria financeira cria estratégias de melhorias e estímulos, ações para corrigir falhas e estuda medidas para a prevenção de erros.

Por meio do diagnóstico financeiro, você terá mais base para a tomada de qualquer decisão que afete o seu empreendimento.

O que a consultoria financeira deve avaliar para fazer um diagnóstico preciso?

Para elaborar um diagnóstico preciso sobre a saúde financeira de sua empresa, a consultoria financeira precisa avaliar principalmente os seguintes processos:

  • Faturamento: observa a clareza dos últimos números registrados;
  • Despesas: enumera tudo o que dever ser pago, como impostos, contribuições, salários, entre outros gastos;
  • Estoques: identifica o valor do estoque da empresa, com todas as despesas;
  • Saldos a receber: observa tudo o que o negócio tem a receber. Comparar valores mês a mês;
  • Capital de giro: verifica os recursos financeiros necessários que a empresa tem como objetivo de se manter operando regularmente, pagando custos e despesas ao longo do tempo;

Provisão orçamentária: analisa um custo futuro, considerando estimativas de juros, encargos tributários, entre outros.

Fonte: Contábeis

PRESSIONE AQUI AGORA MESMO E FALE JÁ CONOSCO PARA MAIS INFORMAÇÕES!

Se você precisa de serviço relacionado ao artigo ou necessita de maiores informações sobre o assunto, conte conosco, da Ogura & Assessoria Contábil e Fiscal.

Somos um escritório que desenvolve trabalhos voltados essencialmente à atividade empresarial, especialmente nas áreas contábil, fiscal, pessoal e societária, envolvendo custos e o aspecto patrimonial, tanto na esfera preventiva como corretiva.

Entre em contato conosco utilizando as informações disponibilizadas em nosso website, caso você prefira, você pode utilizar a ferramenta de chat do WhatsApp, ela fica localizada no canto inferior esquerdo.

Até breve!

PRESSIONE AQUI AGORA MESMO E FALE JÁ CONOSCO PARA MAIS INFORMAÇÕES!

Classifique nosso post post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Recomendado só para você!
Programa voltado a micro e pequenas empresas está no pacote…